Setor de Logística no Âmbito dos Objetivos Climáticos 2030

setor de logística no âmbito das metas climáticas
setor de logística no âmbito das metas climáticas

Os gases de efeito estufa lançados na atmosfera com o efeito das atividades industriais e agrícolas, principalmente o uso de combustíveis fósseis, aumentaram as temperaturas médias medidas em todo o mundo. Aumento da temperatura, desertificação, desequilíbrio de precipitação, seca, tempestade, etc., que podem ser vistos como os resultados das mudanças climáticas globais. eventos meteorológicos, tais como, fazer com que sejam vistos mais Políticas transnacionais são desenvolvidas para reduzir os efeitos das mudanças climáticas na vida e no equilíbrio ecológico do mundo. A crise climática é abordada na arena global com regulamentações como a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, o Protocolo de Quioto e o Acordo de Paris, embora sejam discutidas suas atividades e contribuições para alcançar os resultados pretendidos. A crise climática global também está na agenda das organizações econômicas e políticas regionais, e a União Europeia aparece em primeiro lugar entre essas organizações.


Com o Consenso Verde Europeu anunciado no final de 2019, a Comissão Europeia compartilhou seus novos planos ambientais com o público mundial. O acordo exige uma transformação radical e ecologicamente correta, principalmente das atividades industriais na União Europeia, e nesse escopo visa reduzir as emissões de carbono em 2030% abaixo dos níveis de 1990 até 55 e tornar o continente uma área neutra em carbono até 2050, com a meta de zero emissões de carbono. O plano da União Europeia não se limita ao continente europeu, e os parceiros comerciais e vizinhos da UE serão directamente afectados pelas medidas previstas neste plano nas medidas a tomar em relação às alterações climáticas, que são um problema global por natureza.

Em meados de setembro de 2020, a Comissão Europeia divulgou o seu relatório sobre a reflexão das metas para 2030 em vários setores. No relatório publicado pela Comissão, são feitas avaliações para todos os setores que desenvolvem atividades económicas. Um desses setores é o de transporte e logística, que tem participação importante nas emissões de gases de efeito estufa. A redução desejada nas emissões de carbono será alcançada por meio de ferramentas como a combinação de diferentes modos de transporte, mudanças na mistura de combustíveis, uso mais amplo de tipos de transporte sustentáveis, digitalização e mecanismos de incentivo.

O relatório apresentado pela Comissão Europeia inclui as seguintes recomendações sobre a indústria de transporte e logística.

. Energia renovável: O setor de transporte precisará aumentar sua parcela de energia renovável para cerca de 2030% até 24 por meio do uso de combustíveis renováveis ​​e de baixo carbono, como eletrificação, biocombustíveis avançados ou outras alternativas sustentáveis. Haverá também necessidade de infraestrutura para garantir a distribuição em larga escala de energias renováveis.

. Combustíveis alternativos sustentáveis ​​para aviação e marinha: A fim de melhorar a eficiência das aeronaves, navios e suas operações e aumentar o uso de combustíveis renováveis ​​e de baixo carbono produzidos de forma sustentável, ambos os setores precisarão intensificar seu trabalho nessa área.

. Sistema de Comércio de Emissões da UE (ETS) para estradas: O alargamento do RCLE, actualmente na ordem do dia da Comissão, irá provavelmente abranger as emissões dos transportes rodoviários. A Comissão tentará incluir esta estrada na sua proposta jurídica para a extensão do ETS. No entanto, há indícios de que a Presidência da Comissão tem dúvidas quanto à adequação de tal medida ao sector dos transportes rodoviários.

. EU ETS para aviação e marinha: A Comissão observa que a UE deve continuar a regulamentar as emissões da aviação intra-UE, pelo menos no ETS, e incluir o transporte marítimo intra-UE no ETS.

. Padrões de desempenho de emissão de CO2 para veículos: Embora a Comissão pretenda reconsiderar e reforçar as normas de desempenho de emissões de CO2030 para 2 para automóveis e carrinhas, os camiões não estão actualmente abrangidos, uma vez que as normas para 2022 para camiões deverão ser revistas em 2030.

. Eliminação gradual dos motores de combustão interna em veículos: A Comissão irá ponderar quando terá de ser interrompido o fornecimento de motores de combustão interna para automóveis no mercado interno da UE. Por enquanto, este plano é apenas sobre carros convencionais, mas a Comissão menciona que os caminhões também precisarão ser avaliados nesse aspecto.

As formas de atingir o objectivo da UE de redução das emissões serão determinadas através do desenvolvimento de propostas legislativas da Comissão. Até junho de 2021, a legislação em vigor será revisada e as alterações necessárias serão feitas.

O Consenso Europeu Verde também diz respeito à determinação dos resultados e o planejamento das medidas tomadas pela Turquia nesse sentido é importante de várias maneiras. A primeira delas são as medidas a serem tomadas nas indústrias que se dedicam à produção para o comércio exterior da Turquia. Deve ser avaliado o provável impacto da Turquia sobre a indústria dos impostos fronteiriços sobre o carbono a fim de proteger a competitividade das empresas europeias que se dedicam a uma produção amiga do ambiente. Os países produtores de baixas emissões terão uma posição vantajosa no comércio com a UE. Ao considerar aquela metade das exportações da Turquia para países da UE, surge a importância das medidas a serem tomadas.

Outra área a ser planejada é o setor de transportes. Os objectivos a definir pela UE para o sector dos transportes, que pode ser considerado parte integrante do comércio externo, reflectir-se-ão tanto no sector dos transportes como no sector da produção. Por esta razão, pode ser necessário mudar a carga transportada principalmente por rodovia para tipos de transporte ecológicos, como ferroviário e transporte combinado, o projeto correto de centros de logística onde a transferência de carga entre os tipos de transporte é facilitada e mudanças legislativas e de implementação que serão trazidas com base no princípio da sustentabilidade. O investimento em tecnologias ambientalmente corretas, o incentivo a esses investimentos, a melhoria e a facilitação da infraestrutura física e legislativa do transporte público podem ser considerados como outras medidas a serem tomadas.

O Certificado de Logística Sustentável, que foi criado e apresentado pela primeira vez pela UTIKAD no 2014º Congresso Mundial FIATA organizado pela UTIKAD em 52 com o mote Crescimento Sustentável em Logística em Istambul, é um dos indicadores absolutos da importância que a UTIKAD atribui à sustentabilidade da indústria. No âmbito do certificado, a sustentabilidade não se reduziu apenas às alterações climáticas, mas desenvolveu-se uma abordagem holística à sustentabilidade das empresas que operam no setor da logística numa perspetiva ampla desde os direitos dos colaboradores ao sistema de satisfação do cliente. A UTIKAD recebeu o Prêmio Low Carbon Hero concedido a organizações que apoiam a luta contra as mudanças climáticas, reduzindo sua pegada de carbono no âmbito do 2018º Istanbul Carbon Summit realizado em XNUMX com a iniciativa do Certificado de Logística Sustentável.

A jornada de sustentabilidade da UTIKAD foi levada para a arena internacional, representando no Instituto de Logística Sustentável CLECAT e na Presidência do Grupo de Trabalho de Logística Sustentável da FIATA, que foi conduzido pelo Gerente Geral da UTIKAD Cavit Uğur em 2019. No Grupo de Trabalho de Logística Sustentável do FIATA, afirma-se que a sustentabilidade do setor de logística é possível com uma abordagem abrangente do tema e os projetos desenvolvidos pelo grupo de trabalho são avaliados neste âmbito.

Alperen Guler
Gerente de Relações Setoriais da UTIKAD


sohbet

Seja o primeiro a comentar

Yorumlar

Artigos e anúncios relacionados